VOCÊ FAZ O SUCESSO

VOCÊ FAZ O SUCESSO

BAIXE O APLICATIVO RADIOSNET E OUÇA A NOVA XUCURU EM TODO LUGAR; CLIQUE NA FOTO ABAIXO E SAIBA MAIS

terça-feira, 4 de outubro de 2016

COLUNA! DO BLOG DO MAGNO: PSDB ISOLA DANIEL COELHO NO RECIFE E APOIA GERALDO NO 2º TURNO

A informação é do Blog do Magno Martins -

Na largada para o segundo turno no Recife, o prefeito Geraldo Júlio (PSB) abocanhou, ontem, dia seguinte à eleição do primeiro turno, o apoio oficial do PSDB e do DEM, que entraram na disputa com Daniel Coelho e Priscila Krause, respectivamente. Com isso, as chances do socialista se reeleger aumentam consideravelmente. No caso do PSDB, Daniel ignorou a orientação do partido e emitiu uma nota informando que ficaria numa posição de neutralidade no round final entre Gerado e João Paulo (PT).

Trata-se de uma postura isolada, rancorosa e típica de político que não sabe engolir a lição das urnas. Daniel não é dono dos seus votos. Seu eleitorado, além de conservador, dificilmente migraria para João Paulo, porque eleitor que vota em candidato tucano não tem apetite nem disposição para fazer uma mudança de 180 graus, optando por um candidato com DNA petista, como é o caso de João Paulo.

Tanto isso é verdade que as pesquisas projetando o segundo turno, feitas pelos mais diversos institutos no primeiro turno, já apontaram uma vantagem de até 15 pontos para Geraldo.  Geraldo é, portanto, o candidato que tem mais chances de atrair esse eleitorado do que o seu adversário. A não ser que essa tendência natural e histórica se inverta, abrido um baita precedente no processo histórico do Recife.

Geraldo não se elegeu no primeiro turno por 0,66 pontos percentuais. Provavelmente, se Carlos Augusto, do PV, partido aliado, não tivesse entrado na disputa, o prefeito teria liquidado a fatura logo no primeiro turno, porque o candidato da bandeira verde teve 0,62, quase o mesmo percentual de votos que o prefeito precisava para se reeleger. Mesmo que em política essa migração não possa ocorrer naturalmente, mas teoricamente o PV possa ter complicado Geraldo.

João Paulo chega ao segundo turno extremamente fragilizado. Murchou na reta final, principalmente depois do debate na TV-Globo. Nas pesquisas, variou numa margem entre 29 a 32 pontos, acabou nas urnas tenho apenas 24% dos votos. Como adversário de Geraldo, João não tem margem de manobras para ampliar, diferentemente do prefeito, que já garantiu o apoio de dois partidos estratégicos – PSDB e DEM.

NAS MÃOS DO TSE – Duas eleições subjudice devem render muitas discussões nos próximos dias – em Ipojuca e Belo Jardim. A decisão final quanto à validade das votações de Romero Sales e João Mendonça, que derrotaram seus adversários, caberá ao Tribunal Superior Eleitoral em processos que não se sabe se andarão rápidos ou de forma lenta. No caso de Belo Jardim, se João perder a batalha judicializada, o mais provável é que ocorra uma nova eleição sem que ele tenha direito a disputar, mas apoiando um aliado, o que, mais uma vez, mostrará se terá mesmo força eleitoral.

O maior derrotado – A derrota mais surpreendente no Estado foi a do prefeito de Limoeiro, Thiago Cavalcanti (PTB), sobrinho do deputado federal Ricardo Teobaldo (PTB). Ligado ao senador Armando Monteiro, Teobaldo, aliás, sai extremamente fragilizado no Agreste Setentrional, sua principal base eleitoral. Perdeu as prefeituras de Surubim, Lagoa do Carro, Lagoa de Itaenga, Frei Miguelinho, Santa Maria do Cambucá e Vertentes do Lério, além de Casinhas. Isso sem falar na sua grande aposta, que era a eleição do aliado Joaquim Lapa, em Carpina. Também apostou alto em Santa Cruz do Capibaribe, onde o prefeito e adversário Edson Vieira (PSDB) acabou reeleito, mesmo por uma diferença muito pequena.

Quem levou mais – Na distribuição por partidos, o PSB foi campeão na eleição de prefeitos. Emplacou 68, com destaque para municípios importantes, como o Cabo, Abreu e Lima, Petrolina, Arcoverde e Surubim. Em seguida aparece o PR, que elegeu 26 prefeitos, concentrados no Agreste e Sertão, sendo Floresta, Triunfo e Petrolândia os mais importantes. Já o PT elegeu apenas sete, sendo o mais importante Serra Talhada, onde o prefeito Luciano Duque derrotou, mais uma vez, o grupo do ex-deputado federal Inocêncio Oliveira.

O culpado é Rodrigo – No caso de Floresta, o maior derrotado é o deputado Rodrigo Novaes (PSD), que para se compor com a prefeita Rorró Maniçoba (PSB) impôs a candidatura do procurador Obadias Novaes, que não mora na cidade. Rorró foi voto vencido na escolha de sua sobrinha Isabela Maniçoba, ex-secretária de Finanças da sua gestão. Mas Rodrigo, que é arrogante por natureza, bateu o pé e insistiu no nome de Obadias, derrotado por Ricardo Ferraz por uma diferença de mais de 700 votos.

Um grande vitorioso – Enquanto Ricardo Teobaldo (PTB) desidratou-se em suas bases do Agreste, o secretário de Agricultura, Nilton Mota (PSB), licenciado do mandato de deputado estadual, bombou na dobradinha com o federal Danilo Cabral, elegendo prefeitos em todos os municípios que Teobaldo perdeu. A maior vitória da dobradinha se deu em Surubim, terra natal de ambos, onde deram uma forte contribuição para eleger  Ana Célia, que tira a Prefeitura do controle do PT. Ao longo da campanha em Surubim, Nilton chegou a ser quase candidato, representando Ana Célia em vários eventos depois que ela caiu numa caminhada e quebrou quatro costelas.

CURTAS

MORIBUNDO – Outro que sofreu uma acachapante derrota no Sertão foi o deputado federal Adalberto Cavalcanti, do PTB. Candidato a prefeito de Petrolina, maior colégio eleitoral do Sertão, começou na liderança nas pesquisas, mas acabou em quarto lugar nas urnas. Em Afrânio, Adalberto sofreu a sua maior derrota: não emplacou a reeleição da mulher Lúcia Mariano (PTB).

EM CIMA DO MURO – Em Caruaru, a grande expectativa do segundo turno está por conta da posição que será tomada pelo prefeito José Queiroz (PDT), o maior derrotado por mão ter levado Jorge Gomes para o segundo turno. O que se diz por lá é que Queiroz vai liberar seus aliados e não tomar posição. Quanto ao delegado Erick Lessa, que disputou pelo PR, sua tendência é apoiar Raquel Lyra (PSDB).

Perguntar não ofende: Por que Lula não elegeu sequer o filho vereador em São Bernardo do Campo?

Imagem: Reprodução da internet

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More