VOCÊ FAZ O SUCESSO

VOCÊ FAZ O SUCESSO

BAIXE O APLICATIVO RADIOSNET E OUÇA A NOVA XUCURU EM TODO LUGAR; CLIQUE NA FOTO ABAIXO E SAIBA MAIS

sexta-feira, 8 de abril de 2016

VEM POR AÍ NOVA ALTA DA TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA

Com informações do FOLHA PE -

O alívio proporcionado pela bandeira verde, que começou a operar este mês, pode não surtir tanto efeito na conta dos pernambucanos, já a partir de maio. Apesar de o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, garantir que o aumento das concessionárias será menor ou equivalente à inflação, estipulada atualmente em 10,36%, o próximo reajuste da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe), previsto para 29 de abril, pode impactar o bolso dos consumidores e “mascarar” a benesse concedida pelo Governo Federal.

Na análise do especialista do setor elétrico, José Antônio Feijó, ao mesmo tempo em que há um tipo de queda, existe, por outro lado, um aumento na conta de energia.

“Isso se deve ao modelo de reajuste anual obrigatório. Esse incremento só deveria acontecer se a tarifa vigente não proporcionasse equilíbrio econômico-financeiro da concessão à distribuidora. Como uma empresa mostra lucro excelente e pede reposição para equilibrar as contas? Mas não é culpa da Celpe, que tem direito de solicitar, sim do modelo brasileiro“, explicou, destacando que, em cerca de dez anos, as tarifas brasileiras passaram a ser uma das maiores do mundo.

“Para se ter ideia, era uma das menores antes de 1995, quando se vigorava o modelo de serviço público, no qual as tarifas eram fixadas a partir do custo mais a taxa de retorno do capital investido, fixado entre 10% e 12%”, comentou.

Considerando que a Celpe solicite o percentual equivalente aos custos com a inflação, o especialista disse entender o percentual de reajuste. “Mas nos últimos anos, não têm sido assim”, frisou. Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) revelam que a distribuidora aumentou suas tarifas significativamente. Ano passado, o aumento médio foi de 11,25%, enquanto que, em 2014, foi de 15,99%.

Consultor em energia elétrica da Lumina Energia, Antônio Teixeira esclareceu que os sucessivos aumentos foram necessários para repor os custos das empresas com prejuízos acumulados nos últimos três anos, devido à falta de energia contratada.

"Tiveram que comprar energia mensalmente e, como faltou água nos reservatórios, a energia subiu muito, sobretudo em função da geração térmica”, detalhou. Para o sócio da Prime Energy, Mateus Tolentino, o fato de a redução da bandeira tarifária coincidir com incremento anual da Celpe não é tão mau assim.

“Se os reservatórios não tivessem recuperado o mínimo possível de água, haveria grande probabilidade de os clientes contarem com os dois reajustes simultaneamente”, ponderou. Tolentino afirmou ainda que o mercado espera uma alta mais sutil este ano. “Como boa parte dos contratos está indexado ao IPCA, é possível que seja somente um reajuste de adequação”, adiantou.

A Celpe esclareceu que iniciou o processo de envio do conjunto de informações que irá subsidiar o cálculo realizado pela Aneel. Pela atual metodologia, os impactos dos efeitos climáticos na geração hidrológica serão considerados na aplicação das bandeiras tarifárias.

Foto: Reprodução

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More